Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

| 19/08/2010 | 00h00

Consultoria avalia barril do pré-sal em US$ 10 a US$ 12

Petrobras estipulava preço pela metade.

Agência Estado

Agência Estado

O preço de cada barril das reservas que a União vai repassar à Petrobrás foi avaliado entre US$ 10 e US$ 12 pela certificadora Gaffney, Cline & Associates (GCA), contratada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O laudo era aguardado nesta quarta-feira, 18, mas segundo fontes os valores ocuparam o centro de uma reunião conciliatória, realizada em Brasília, com participação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli, além de representantes da ANP e do Ministério do Planejamento.

O objetivo era chegar a um valor não tão elevado quanto o proposto à ANP e nem tão mais baixo quanto o que será apresentado pela Petrobrás, calculado pela De Golyer and McNaughton, entre US$ 5 e US$ 6. A margem elástica entre as duas estimativas surpreendeu técnicos da própria ANP, que esperavam algo entre US$ 8 e US$ 10. Um valor excessivamente alto para as reservas, de 5 bilhões de barris, poderia inviabilizar todo o processo de capitalização da Petrobras.

"Em tudo que se refere à capitalização está havendo muito barulho. Isso atrapalha. Melhor deixar o processo ocorrer naturalmente", comentou ontem o ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, dizendo desconhecer a discussão sobre um eventual adiamento. Do ponto de vista geológico, diz um especialista, as reservas poderiam ser vendidas por um valor em torno dos US$ 10 por barril, mas o mercado não seria capaz de absorver mais do que US$ 8.

Segundo uma fonte da área técnica do Ministério da Fazenda, existem de fato pressões para postergar a operação. Entre outros motivos, estaria o cronograma, já apertado. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, entretanto, também afirmou ontem que "não tem nenhuma posição de adiar" a capitalização.

Embora sejam operações juridicamente diferentes, a cessão onerosa e a capitalização estão intimamente ligadas. As reservas que a Petrobras irá adquirir da União situam-se numa área chamada de Franco, no pré-sal da Bacia de Santos. A diferença de preços das duas consultorias é resultado, em linhas gerais, de conceitos técnicos distintos para a interpretação geológica da área.

"Franco é, sem dúvida, o melhor prospecto existente no pré-sal da Bacia de Santos", disse uma fonte, confirmando que o potencial dessa área é melhor do que o de Tupi, como já havia sido insinuado o diretor-geral da ANP, Haroldo Lima.

Se o valor dos barris ficar na cotação mínima apontada pela GCA, de US$ 10, a área custará à Petrobrás US$ 50 bilhões. O valor é idêntico ao que vinha sendo estimado pelo mercado para toda a capitalização. Somente nesse padrão, a operação seria um recorde mundial e os acionistas minoritários da companhia teriam dificuldades para acompanhar o aumento de capital.

Com informações de Kelly Lima, de O Estado de S. Paulo, e Leonardo Goy.



Tags: petróleo, pré-sal, Petrobras, capitalização, ANP.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência
также читайте jaamboo.com.ua

узнать больше avtokum.com

geforce gtx 1060