Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

| 17/08/2010 | 00h00

Sindipeças: mercado em alta e déficit de US$ 3,92 bi

Balança negativa e cecaderização preocupam o setor.

Paulo Braga, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social

Paulo Braga, AB

O Sindipeças atualizou as previsões para produção de veículos e analisou o comportamento da balança comercial de autopeças. Em reunião com jornalistas na segunda-feira, 16, o conselheiro da entidade Américo Nesti informou que a projeção para produção de carros, comerciais leves, caminhões, ônibus e máquinas agrícolas em 2010 é de 3,458 milhões de unidades, com um avanço de 4,3% sobre o ano passado. Ele estima que em 2011 serão montados 3,666 milhões de veículos, um crescimento de 6%. Em 2015 seriam produzidos 4,454 milhões de unidades.

Nesse cenário, o que preocupa a entidade é o que chama de ‘cecaderização’ na manufatura, com a importação de conjuntos de autopeças e sistemas para montagem local. Essa tendência está refletida no comportamento da balança comercial do setor, que este ano pode ser negativa em US$ 3,92 bilhões. De janeiro a julho o déficit acumulado já somou US$ 2,15 bilhões. Em 2006 o resultado foi positivo em US$ 1,98 bilhão – daí em diante a curva passou a registrar balanços negativos.

Redutor

A decisão do governo em retirar o desconto de 40% nas alíquotas de importação de componentes destinados a linhas de montagem foi uma resposta ao alarmante déficit na balança comercial, embora os fabricantes de veículos e sistemas busquem alternativas para compensar eventuais aumentos de custos. Uma saída seria produzir em países vizinhos, aproveitando as regras comerciais do Mercosul. Outra seria negociar a inclusão de produtos na ‘lista de exceções’, driblando o aumento das alíquotas, que se estenderá em quatro etapas.

O redutor de 40% vigorou até dia 31 de julho. Até 20 de outubro de 2010, será de 30%. Cairá para 20% e permanecerá nesse percentual até 30 de abril de 2011 e acabará em 1º de maio de 2011. A renúncia tributária com a medida será de R$ 132,35 milhões, segundo o governo.

Gargalos

Nesti disse que não há sinais de desabastecimento na cadeia de suprimentos automotivos, apesar do aquecimento do mercado. Ele admite que há dificuldades pontuais, mas nada que leve a interrupções na produção. Letícia Costa, diretora da Prada Assessoria, compartilha da mesma opinião e explica que eventuais problemas decorrem de melhor comunicação entre compradores e fornecedores: “A cadeia de suprimentos é longa e pode demorar a reagir. Foi o que aconteceu na saída da recente crise, especialmente no caso de veículos comerciais”.

O Sindipeças tem dito que os investimentos setoriais são da ordem de US$ 1 bilhão por ano. O levantamento promovido pela entidade no primeiro trimestre do ano detectou a disposição de realizar aplicações da ordem de R$ 3,6 bilhões.

Argentina

O Sindipeças apresentou também projeções para a produção na Argentina, incluindo máquinas agrícolas. Este ano o país vizinho deve montar 635 mil unidades, avançando 21,7% sobre 2009. A estimativa para 2011 é de 736 mil unidades, um crescimento de 15,9%. Em 2014 devem ser montados 926 mil veículos.

O Uruguai tem um mercado interno da ordem de 33 mil veículos leves e pesados.

Foto: Américo Nesti, conselheiro do Sindipeças.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

здесь np.com.ua

ссылка np.com.ua

также читайте progressive.ua