Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias
PSA vende 369 Citroën Aircross ao governo
A diretora geral das marcas Peugeot, Citroën e DS, Ana Theresa Borsari, participou da entrega dos carros ao presidente Michel Temer

Negócios | 25/05/2018 | 19h19

PSA vende 369 Citroën Aircross ao governo

Veículos serão utilizados em todo o País por conselhos tutelares

REDAÇÃO AB

A PSA vendeu um grande lote 369 Citroën Aircross ao governo. Os veículos serão utilizados pelo Ministério dos Direitos Humanos e pela Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Eles serão doados a diversos municípios para uso nos conselhos tutelares. A compra foi feita por licitação realizada no segundo semestre de 2017 e permite a aquisição de até 1,2 mil carros.

Outros 600 carros para essa mesma finalidade estão previstos ainda para 2018. O evento de entrega ocorreu na quinta-feira, 24, dentro da fábrica do Grupo PSA em Porto Real (RJ), com a presença de executivos da companhia como a diretora geral, Ana Theresa Borsari, o vice-presidente de comunicação, Fabricio Biondo, e de autoridades como o presidente Michel Temer.

Os Aircross farão o transporte de crianças, adolescentes, familiares e seus pertences. Em 2015 a PSA já havia vencido uma licitação que envolveu a entrega de mais de 700 Aircross entre 2016 e 2017.

Os carros da nova licitação utilizam motor 1.6 flex com até 122 cavalos. Essas 369 unidades tiveram um peso significativo nas vendas do Aircross: equivalem a 15% de todos os emplacamentos do modelo de janeiro até o dia 24 de maio.



Tags: PSA, Citroën, Aircross, Ministério dos Direitos Humanos, Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Michel Temer.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência