Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias
Volkswagen terá 16 fábricas de veículos elétricos até o fim de 2022
Matthias Müller, CEO do Grupo VW (esq.) e Frank Witter, membro do conselho responsável por finanças, com o Sedric, conceito de carro autônomo, durante conferência global de imprensa

Indústria | 13/03/2018 | 18h12

Volkswagen terá 16 fábricas de veículos elétricos até o fim de 2022

Grupo prevê a produção de até 3 milhões de unidades por ano

REDAÇÃO AB

O Grupo Volkswagen anunciou que vai ampliar para 16 o número de fábricas no mundo com capacidade para produzir veículos elétricos até o fim de 2022, sendo que nove plantas já existentes serão programadas para esse fim em até dois anos. Atualmente, a companhia produz carros elétricos em três locais no mundo. Os novos rumos do grupo para a eletrificação de veículos foram apresentados pelo CEO global, Matthias Müller, durante conferência global de imprensa, realizada na terça-feira, 13, em Berlim, na Alemanha.

Os planos integram o Roadmap E, ofensiva do grupo para veículos elétricos lançada em março do ano passado e cujas diretrizes vêm sendo implementadas desde então. Seu planejamento prevê que as 11 marcas ligadas ao Grupo VW lancem 80 modelos elétricos até 2025, sendo que 50 deles serão 100% elétricos movidos a bateria, e oferecer uma versão elétrica de cada um dos 300 modelos de todas as suas marcas até 2030. Sua projeção sustenta que até lá serão produzidos 3 milhões de modelos elétricos por ano. Para 2018, a meta é lançar nove produtos eletrificados, dos quais três serão puramente elétricos, adicionando-os ao portfólio atual do grupo, que já conta com oito modelos, entre elétricos e híbridos plug-in, considerando todas as marcas.

O Roadmap E, previsto no plano estratégico da companha Together 2025, confere que serão investidos mais de € 34 bilhões em carros elétricos, bem como carros autônomos, digitalização e serviços de mobilidade até o fim de 2022.

“Nos últimos meses, conseguimos avançar em todas as etapas para implementar o ‘Roadmap E’ com a velocidade e a determinação necessárias”, disse o CEO Müller durante a conferência de imprensa em Berlim.



Para garantir que seja abastecido de forma adequada e massiva, o Grupo VW decidiu que permanecerá fora do negócio de fabricação de baterias. Neste sentido, Müller revela que a empresa já fechou acordos com fabricantes especializados na Europa e na China, cujos contratos somam o equivalente a US$ 20 bilhões.

“Construir experiência e dominar a tecnologia não implica necessariamente que desejemos iniciar a fabricação de baterias em grande escala”, disse Müller. “Esta não é uma das nossas principais competências e outros podem fazê-lo melhor do que podemos”, completou.

Dentro desta ofensiva elétrica, a marca Volkswagen está configurando a sub-marca ID para identificar seus veículos a bateria. O primeiro modelo será o hatchback Neo com lançamento previsto para 2020. Por sua vez, a Audi está se preparando para lançar já no fim deste ano o 100% elétrico E-tron, que foi mostrado ao público na semana passada durante o Salão de Genebra, palco de uma série de inovações para carros elétricos mostrados pelas marcas do grupo. Além da Audi, a Porsche mostrou o Mission E, enquanto a VW apresentou o ID Vizzion, mais um membro da família ID.

“A partir de 2019, haverá um novo veículo elétrico praticamente todos os meses”, disse Müller. “É assim que pretendemos oferecer a maior frota de veículos elétricos do mundo, em todas as marcas e regiões e em apenas alguns anos”.

Müller também indicou que a fábrica da VW em Chattanooga, no Tennessee, Estados Unidos, poderia ser uma das que devem começar a fazer veículos elétricos em 2022, mas a empresa está tomando uma postura de “esperar e ver”, disse o CEO sobre as negociações comerciais em andamento. No entanto, confirmou que os planos de terceirização da produção de baterias inclui a América do Norte, onde uma decisão com um fornecedor deve ser concluída em breve. Para os EUA, a empresa planeja oferecer quatro veículos elétricos a partir de 2020, como o crossover ID Crozz e, em 2022, o ID Buzz, com design que remete à Kombi.

O CEO fez questão de enfatizar que o avanço de tecnologias para veículos elétricos não significava que a Volkswagen estava virando as costas para os sistemas de motores convencionais. “Estamos fazendo grandes investimentos na mobilidade do futuro, mas sem negligenciar as tecnologias e veículos atuais, que continuarão a desempenhar um papel importante nas próximas décadas”, disse Müller. “Estamos colocando quase € 20 bilhões em nosso portfólio de veículos convencionais em 2018, com um total de mais de € 90 bilhões agendados nos próximos cinco anos, dos quais € 19,8 bilhões só em 2018”.



Tags: Volkswagen, carro elétrico, veículo elétrico, fábrica.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência