Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias
Rota 2030 empacado compromete pesquisa e desenvolvimento

Indústria | 09/03/2018 | 21h53

Rota 2030 empacado compromete pesquisa e desenvolvimento

Volkswagen pode reavaliar próximo plano de investimento

MÁRIO CURCIO, AB

A indefinição do novo programa Rota 2030 começa a atrapalhar o planejamento das montadoras, como revela o presidente e CEO da Volkswagen para a América do Sul e Brasil, Pablo Di Si. “Os R$ 7 bilhões de investimento em curso (até 2020) já têm destino, mas o próximo ciclo será reavaliado se não tivermos uma definição”, afirma o executivo. Di Si recorda que o impasse compromete sobretudo projetos de pesquisa e desenvolvimento.

“Sem sabermos as cargas de IPI não temos como definir estratégias para carros flex, elétricos, para nada.”



O executivo conversou com jornalistas durante a apresentação do Passat 2018 (veja aqui).

Sem o novo programa, Di Si preferiu comemorar o crescimento de 37% da VW no primeiro bimestre e a conquista de 15% de participação de mercado no período com a ajuda de dois novos modelos, o Polo e o Virtus. “E nos primeiros oito dias de março crescemos 65%, enquanto a alta do mercado foi de 30%”, diz, referindo-se à comparação com o mesmo período do ano passado.

“Neste começo de mês o Polo aparece como o terceiro carro mais vendido”, afirma o presidente e CEO da VW. Na sexta-feira, o site da Fenabrave (federação que reúne as associações de concessionários) mostrava para o mês de março o Chevrolet Onix em primeiro lugar com 3,6 mil unidades, o Hyundai HB20 em segundo com 2,5 mil e o Polo com 1,7 mil emplacamentos. No acumulado do ano, porém, o novo VW permanece em quarto lugar, atrás também do Ford Ka.

Sobre os preços mais camaradas do Fiat Cronos em relação ao VW Virtus (veja aqui), ele desconversou: “Não são carros concorrentes”, referindo-se às diferenças de tamanho e equipamentos. Mas admite que o fato de o Virtus ter sido lançado um mês antes deixou a Fiat em vantagem na hora de tabelar seu carro.

Di Si falou também da nova estratégia da Volkswagen com os modelos importados. A montadora deixou de trazer o Fusca, o CC e reduziu o número de opções para Jetta, Passat e Touareg. E recorda que em abril chega do México o novo Tiguan, com sete lugares.



Tags: VW, Volkswagen, Pablo Di Si, Passat, Polo, Virtus, Jetta, Passat, Touareg, Tiguan.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência