Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

Lançamentos | 02/02/2016 | 22h01

Mercedes aumenta linha de SUVs no Brasil com GLC e GLE Coupé

Modelos preenchem espaços da marca na disputa pelo mercado premium

PEDRO KUTNEY, AB | De Itu (SP)

Com volumes baixos e alta rentabilidade, ao trazer de uma só tacada ao País os utilitários esportivos GLC (médio) e GLE Coupé (mistura de SUV e cupê), a Mercedes-Benz preenche mais alguns espaços que estavam vazios em sua linha de automóveis para competir no cada vez mais disputado segmento de carros premium no Brasil. Os dois complementam a linha de SUVs da marca por aqui e acompanham de perto os movimentos dos principais concorrentes Audi Q5 e Q7, BMW X3 e X6, além de Land Rover Evoque e Discovery Sport.

Os dois SUVs da Mercedes chegam ao Mercado brasileiro em duas versões de acabamento cada. O GLC 250 parte de R$ 222.900 e o GLC 250 Sport, com pacote visual AMG, chega a R$ 264.900. Já o GLE 400 Coupé começa em R$ 415.900 e o GLE 400 Coupé Night, também com aparência mais esportiva, sai por R$ 425.900. Os preços também acompanham a concorrência, embora existam algumas diferenças de estilo e motorização que não se repetem entre os SUVs de luxo nessa faixa de mercado de alto padrão.

Sem revelar expectativas de vendas, a direção da fabricante avalia que na média geral os dois novos SUVs ajudem a Mercedes-Benz a crescer em 2016, ou ao menos manter o bom desempenho de 2015, quando experimentou expressivo avanço nas vendas de 47%, o maior entre as marcas de luxo, com 17,5 mil emplacamentos – apenas 14 atrás da Audi que por muito pouco terminou o ano na liderança do segmento.

Para o diretor de automóveis da Mercedes para a América Latina, Holger Marquardt, o momento econômico “é difícil para prever qualquer número”, mas ele arrisca que “será o ano dos SUVs” para a marca, pois esses modelos ganham preferência cada vez maior dos brasileiros e no ano passado já representaram um terço dos negócios no País, mais de 80% disso correspondente à demanda pelo SUV pequeno GLA, lançado no ano passado.

“Com a chegada de toda a nova linha de SUVs ao mercado brasileiro, é esperado que a fatia deles aumente até um pouco mais em nossas vendas”, projeta Marquardt. Todos os seis utilitários esportivos da Mercedes estarão a venda no Brasil em 2016, desde o clássico Classe G (trazido sob encomenda), os já lançados GLA – este começa a ser montado na nova fábrica de Iracemápolis (SP) no segundo semestre – e GLE (ex-ML), este mês chegam às concessionárias os agora apresentados GLC (ex-GLK) e GLE Coupé, e em março será a vez do GLS (que substitui o GL).

NOVA LINHA

GLC e GLE Coupé são representantes da nova linha de SUVs da Mercedes-Benz, que em 2015 adotou identidade visual redesenhada e nova nomenclatura para seus utilitários esportivos, nas qual as duas primeiras letras do nome indicam o tipo de carroceria – no caso, SUVs inspirados no Classe G, o icônico 4x4 todo-terreno da marca lançado em 1979 e que até hoje recebeu poucas mudanças estéticas – e a última letra refere-se à plataforma. Assim o GLC é feito sobre a base do sedã médio Classe C, o GLE e sua versão Coupé sobre o sedã grande Classe E e o GLS sobre o topo de linha Classe S.

Em comum, todos usam a tração integral 4Matic, que controla automaticamente a força em cada uma das rodas de acordo com a necessidade do terreno. E todos replicam a tradição da Mercedes-Benz com acabamento externo e interno esmerado, muito conforto, desempenho acima da média, direção extremamente agradável e estável, além de tecnologias de última geração.

O único pecado é que esses carros ainda não trazem ao mercado brasileiro boa parte do pacote de assistência ao motorista já oferecido na Europa, como frenagem automática de emergência (capaz de frear sem interferência do motorista quando “percebe” um pedestre ou outro obstáculo adiante), correção de rota em faixa (que detecta desvios na direção e reconduz ao caminho correto por meio de frenagens sutis) e até mesmo o piloto automático adaptativo, ACC, que reduz a velocidade e mantém distância segura do veículo à frente. Essas funcionalidades não estão disponíveis no Brasil porque a Mercedes usa sensores para controlar esses dispositivos que trabalham em uma frequência exclusiva das forças armadas brasileiras e não pode ser usada aqui.

Fora dessas ausências, GLC e GLE Coupé vêm com amplo pacote de equipamentos e sofisticação tecnológica. Ambos têm faróis e lanternas de LED, bancos dianteiros com ajuste elétrico, piloto automático (cruise control sem ACC), comando sensível ao toque (touch pad) no console central para controle de várias funções como navegação e sistema de som, ar-condicionado digital de duas zonas de temperatura, fechamento de portas servo-assistido, freios adaptativos (que entendem ações de emergência e garantem mais carga à frenagem), secador de pastilhas e discos de freios ao detectar água, controles eletrônicos de estabilidade e tração, airbags de duplo estágio por todos os lados, detector de fadiga ao volante (avisa ao motorista que está na hora de parar e tomar um café), sistema PreSafe (na iminência de um acidente, retrai os cintos e ajusta banco e encosto de cabeça) e o Dynamic Select, que permite escolher modos de condução mais confortável, econômica, dois estágios esportivos ou em configuração individual, com mudanças na rigidez do volante, sensibilidade do acelerador e comportamento das trocas de marchas – aliás, GLC e GLE vêm com o mesmo eficiente câmbio automático de nove velocidades criado há pouco mais de dois anos pela ZF, que ajuda bastante na economia de combustível ao manter o motor abaixo de 2 mil rpm mesmo em velocidades acima de 100 km/h.

GLC, NA MEDIDA


O novo Mercedes-Benz GLC: o SUV substitui o GLK e compartilha alguns elementos de design e a plataforma do sedã Classe C.

Inteiramente novo, o GLC chega importado da Alemanha e substitui o GLK com mais estilo e diversas evoluções construtivas. O SUV médio da Mercedes-Benz ganhou mais espaço interno, ficou 5 cm mais largo e o porta-malas cresceu 80 litros. Apesar desse crescimento, a carroceria emagreceu 80 kg com o uso mesclado de alumínio com aços de alta resistência. O motor 2.0 turbinado de quatro cilindros desenvolve 211 cavalos. Combinado com o câmbio automático de nove marchas, o design com menor arrasto aerodinâmico e a carroceria leve, o carro ficou mais eficiente, com consumo de gasolina 19% menor em relação ao antigo GLK, segundo o fabricante.

A nova suspensão adaptativa, as cinco opções do sistema Dynamic Select (conforto, economia, sport, sport+ e individual) e a tração integral permanente aumentaram o conforto de rodagem e a agilidade esportiva do veículo. “O modelo faz parte de uma nova proposta da Mercedes-Benz para a linha de SUVs, caracterizados por maior versatilidade e dinamismo, proporcionando uma experiência totalmente nova no segmento de utilitários esportivos”, afirma Marquardt.


O GLC tem o interior bem acabado e sofisticado

A versão Sport do GLC é “embelezada” com pacote visual AMG, que inclui escapamento com ponteira dupla, rodas de liga leve de 19 polegadas (a opção standard usa de 18”), para-choques com protetores inferiores integrados, teto solar panorâmico, bancos de couro e volante esportivos. Com a integração da antena nos espelhos externos e no defletor do teto, foi eliminada aquela utilizada no teto. O GLC 250 Sport também traz de série o Active Parking Assist, assistente eletrônico de manobra que estaciona o veículo automaticamente em vagas paralelas ou perpendiculares.

GLE COUPÉ, DUPLA IDENTIDADE


Mercedes-Benz GLE Coupé mistura em seu design dimensões de um SUV com traseira tipo cupê, para misturar robustez com esportividade

Além de mudar o visual e o nome do ML, fabricado desde os anos 1990 na fábrica da empresa nos Estados Unidos, a Mercedes-Benz criou uma dupla identidade para o seu SUV grande, agora chamado de GLE. Além da carroceria standard, mais parecida com seu antecessor e já lançada no Brasil no fim de 2015 somente com motorização diesel, também lançou o GLE Coupé, que introduz as linhas esportivas de um cupê no corpo de um SUV – como já fez a concorrente BMW como X6.

O GLE Coupé é a mais nova adição ao portfólio dos cupês da Mercedes-Benz, ao lado das opções duas-portas das séries C, E e S e dos quatro-portas CLS e CLA. A ideia é mesclar não só o design, mas também as qualidades dinâmicas de ambos os estilos, com a oferta de um SUV esportivo. Na prática, a combinação de robustez com as linhas fluídas e refinadas de um cupê é um tanto quanto desajeitada, com formas e proporções que não conversam entre si. Mas se o visual parece estranho, porque diferente, o comportamento do carro atende perfeitamente a intenção de ter o melhor dos dois mundos em um só veículo.

O motor a gasolina 3.0 V6 biturbo de impressionantes 333 cavalos, em conjunto com o câmbio automático de também impressionantes nove velocidades, empurra com facilidade as 2,2 toneladas do GLE Coupé de 0 a 100 km/l em apenas 5,9 segundos – isso segundo medições do fabricante, pois na estrada a impressão é de tempo ainda menor. Para isso basta escolher o modo “sport+” entre as cinco opções do Dynamic Select, que alonga as trocas de marchas, enrijece o volante elétrico e torna o acelerador extremamente sensível. Nessa configuração de condução, a suspensão pneumática reduz em 1,5 cm a altura do carro, para aumentar a estabilidade, e assim o SUV se transforma em bólido que rapidamente faz crescer no visual à frente as traseiras dos outros carros.

Para dar ao GLE Coupé sua configuração 4x4 todo-terreno, a escolha no sistema Dynamic Select deve ser pela opção “slippery”, que prepara o veículo e ajusta a tração integral para rodar em pisos de baixa aderência, como na neve ou barro. O lado SUV também é ressaltado pelas rodas de liga leve de 21 polegadas calçadas com pneus mistos.

Se a preferência for por uma condução mais tranquila, é só selecionar o modo “confort”, ou “sport” para atuação intermediária entre conforto e a esportividade máxima do “sport+”. E se nada disso agradar, resta ainda a configuração individual, ao gosto do freguês.


O interior requintado do GLE Coupé inclui revestimento de couro dos bancos e painéis, tela multimídia, volante esportivo com comandos multifuncionais, ajuste elétrico dos bancos na lateral da porta (foto à esquerda, no meio) e controle com touchpad no console central (embaixo, à esquerda).

No interior, o GLE Coupé é muito confortável para até cinco pessoas, com trilha sonora que poder ser tão potente quanto seu motor: o sistema de som e DVD Harman Kardon Logic 7 inclui 14 alto-falantes que despejam até 830 watts de potência.

A visibilidade noturna também foi melhorada pela iluminação LED Intelligent Light System, oferecida de série no modelo. Como elemento extra de charme, um luzes localizadas nos espelhos retrovisores externos projetam no chão a estrela da Mercedes-Benz, ativada na abertura e fechamento do veículo, com o objetivo de iluminar o embarque e desembarque.

Para o mercado brasileiro, o GLE Coupé apresenta o pacote visual esportivo AMG Line, incluindo os spoiler dianteiro e traseiro, além de bancos, volante e pedais esportivos de alumínio. A versão mais cara Night tem a barra da grade do radiador e as carenagens dos espelhos externos em preto com alto brilho. No interior, as opções vão do preto pérola, preto pérola com costuras vermelhas e porcelana e preto, todos revestidos com couro Nappa.



Tags: Mercedes-Benz, GLE Coupé, GLC, SUV, lançamento, mercado.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência