Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias
Retomada vai demorar de 2 a 3 anos
360 participantes lotaram o Workshop Planejamento 2016 de Automotive Business (Foto: Luis Prado)

AB | 19/08/2015 | 15h25

Retomada vai demorar de 2 a 3 anos

Pesquisa da Deloitte aponta percepções da cadeia produtiva durante workshop
SUELI REIS, AB

Dos 360 participantes do Workshop Planejamento 2016, promovido por Automotive Business na segunda-feira, 17, a maioria esmagadora, 79%, avalia que a retomada do setor automotivo só virá entre os próximos dois ou três anos, sendo que 49,6% acredita em uma reação positiva das vendas em até dois anos. Esta foi uma das percepções dos representantes da cadeia produtiva nas duas pesquisas eletrônicas conduzidas pela Deloitte durante o evento.

Outros 8,8% apostam em retomada já no próximo ano enquanto 12,3% pontua um cenário mais favorável só em quatro anos.

- Para ver o resultado completo da pesquisa eletrônica da Deloitte, clique aqui.

Boa parte dos votantes – 60,4% - aponta que a queda nas vendas esperada para este ano deve ficar entre 20% e 25% contra o resultado do ano passado, quando foram emplacados 3,49 milhões de veículos novos, entre leves e pesados. Já 22,3% votaram que a retração do mercado ficará entre 15% e 20%. Uma parcela dos participantes menos expressiva, de 3,9%, aponta retração de 10% a 15%, enquanto 13,4% esperam um tombo acima de 25%.

A falta de confiança dos consumidores sobre sua estabilidade no emprego (57,5%) e o cenário econômico adverso (28,4%) foram apontados como os principais problemas atuais para a venda de veículos.

Apesar das diferentes opiniões, 80% dos participantes concordam que em 2016 o mercado deverá estar no mesmo cenário deste ano ou apresentará pequena melhora. A minoria mais pessimista de 2,4% espera uma grande piora do resultado do setor para o ano que vem. A maior dificuldade ainda deverá ser a necessidade de corte de custos e despesas, apontada por 51,9% dos participantes, seguido pelo aumento da liquidez da empresa, visto como prioridade por 27,4%. A realização de novos investimentos e a manutenção dos empregos figura como os fatores de maior importância para 14,7% e 6%, respectivamente.

Quando questionados sobre qual seria o estímulo mais importante para ajudar o setor no cenário atual, as melhores taxas de financiamento e de crédito para os consumidores são apontadas por 35,6% como a melhor saída neste momento. No entanto, houve bastante equilíbrio nas demais opções: 17,8% votaram em apoio para manutenção dos empregos e o mesmo número indicou políticas de promoção para exportação. Acordos comerciais com outros países e blocos econômicos foram a preferência de 16,4% e 12,4% votaram no retorno da redução do IPI.

Mais de 48% vislumbra que a existência de acordos para a conquista de novos mercados indica ser o melhor estímulo para a melhora das exportações do setor, além de incentivos tributários, preferência de 22,6%. A taxa de câmbio favorável foi apontada por 18,1% e a diminuição dos custos de investimentos (taxas de juros) é a preferência de 10,8% dos participantes.

A maioria dos representantes das empresas da cadeia automotiva sugeriram que as montadoras devem focar em eficiência e custo, além de estabelecer longas relações com seus fornecedores quando questionados sobre as estratégias para que seus clientes melhorem o desempenho. Quando a avaliação é sobre melhorar o desempenho das autopeças, os presentes concordaram que o mais urgente é foco em eficiência e custo e também investimentos em inovação e tecnologia.

As dificuldades que devem perdurar no curto prazo podem acarretar em consequências extremas, como a redução do número de empresas do setor de autopeças: 65,2% aposta que o número de empresas vai diminuir. Do total de votantes, 38,4% acredita que essa diminuição será resultado do fechamento das companhias, enquanto 46,6% aposta em movimentos de fusões e aquisições.

Tags: Delloite, pesquisa, Workshop Planejamento 2016, autopeças.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
AB Inteligência