Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias
Mercedes adota motor flex em quatro modelos
Além do GLA (foto), outros três modelos receberam motor flex 1.6 turbo

Lançamentos | 02/06/2015 | 11h22

Mercedes adota motor flex em quatro modelos

Preços se mantiveram iguais, assim como a potência do 1.6 turbo de 156 cv

REDAÇÃO AB

Os modelos Mercedes A 200, B 200, CLA 200 e GLA 200 tornaram-se flex. Eles recebem um motor 1.6 turbo com os mesmos 156 cavalos de seu equivalente a gasolina. O sistema de partida a frio dispensa tanquinho. A fabricante não deu um nome para sua tecnologia bicombustível e só dá para saber que os carros são flexíveis pela informação no bocal de abastecimento ou no documento.

Ainda segundo a Mercedes, a potência fornecida é a mesma tanto com o derivado de petróleo ou com etanol. Os motores flex mantiveram funções como o ECO start/stop e os diferentes modos de condução permanecem com suas características e funcionamento regulares, mesmo com a mudança de combustível. O intervalo entre as revisões também é o mesmo, com a primeira aos 10 mil quilômetros ou um ano de uso.

Nos novos carros flexíveis foram trocadas as duas bombas de combustível (alta e baixa pressão), os cabeçotes e os injetores. A Mercedes também recalibrou o módulo do motor (ECU – Electronic Control Unit) e o módulo de controle de combustível para funcionar com etanol. Também foi incluído o sensor de reconhecimento do etanol.

Tags: Mercedes, Mercedes-Benz, flex, bicombustível, bombas de combustível, ECU.


Comentários

  • Ronaldo Ribas

    Qual a razão para que estes motores com injeção direta, turbocompressor e demais tecnologias de ponta não alcançarem maior valor de torque e potência com o uso de etanol (AEHC) ? ...Acho uma temeridade rodar com a nossa gasolina E27 que é uma mistura de hidrocarbonetos de baixa octanagem e alto teor de impurezas, misturada ao AEHC com até 8% de água nestes motores e manter as trocas de óleo+filtro com 10.000 km ou um ano! Seria mais prudente corrigir o intervalo de trocas de óleo do motor em função do teor de etanol e do número de partidas a frio. A meu ver os modernos motores da Mercedes 1.6, BMW 2.0 TwinPower Turbo, Audi 1.8 e 2.0 TFSI, VW 1.4 e 2.0 TSI e Ford 1.6 e 2.0 EcoBoost deveriam ser calibrados para rodar ou com gasolina E25+/-5 ou com etanol hidratado, mas não no modo "FLEX".

  • Gian

    O que o comprador de um Mercedes tem de preocupação com álcool ou gasolina !?!? ... kkkk ...

  • Biela

    Ronaldo, vc viu o teste da BMW no dinamometro com etanol? Potência declarada não é potência medida. É para vc não reclamar que o seu carro à gasolina é manco quando o fabricante lança o flex. Aliás, para ser flex, o carro tem que rodar com qualquer mistura gasool/etanol. E85 não é flex. É o carro a álcool sem partida a frio.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
AB Inteligência