Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias
Novo Audi TT vale pelo “bullying” ao freguês
O novo Audi TT: pura provocação

Marketing | 15/05/2015 | 19h00

Novo Audi TT vale pelo “bullying” ao freguês

Com cupê esportivo, marca provoca clientes para ampliar suas vendas

PEDRO KUTNEY, AB | Do Rio de Janeiro (RJ)

“Isso não é carro, é bullying com o seu vizinho.” Com o jocoso slogan e investimento milionário em campanha que envolve TV aberta e paga, meios digitais e uma dúzia de revistas de grande circulação, a Audi espera vender este ano no Brasil apenas cerca de 500 unidades do icônico TT. Mais do que isso, também calcula que a provocação faça o tal vizinho comparecer a uma das 40 concessionárias da marca no País – que serão 50 até o fim deste ano.

O vizinho, provavelmente um homem entre 30 e 50 anos de idade, segundo pesquisas da Audi, é o alvo preferencial porque mora necessariamente no bairro de poder aquisitivo superior ao da maioria das pessoas que costuma torcer o pescoço para ver o TT passar. Em sua terceira e sensivelmente melhorada geração, o pequeno e endiabrado cupê 2+2 da Audi chega por aqui em duas versões e preços de R$ 209.990 ou R$ 229.990. Por isso, parece muito barulho publicitário por um carro aspiracional de baixos volumes, um esportivo que leva apenas duas pessoas e serve quase que somente à diversão, que em boa parte dos casos deverá ser o segundo automóvel na garagem de ricos e novos ricos. Mas não se trata só de ganhar bastante em cada unidade vendida para justificar tamanhos gastos em publicidade. O caso é que o TT é um ícone e vale também pela propaganda que ele faz da sua própria marca.

“O TT representa a imagem da inovação e terá papel importante em nosso crescimento no Brasil, com a oferta do portfólio completo da marca”, afirma Jörg Hofmann, presidente da Audi do Brasil. O diretor de marketing Herlander Zola explica a estratégia: “Temos convicção que a exposição do TT estimula o desejo pela marca”, diz. “Miro em um modelo e posso até vender outro”, completa.

Dessa forma, o TT como “bullyng” é mais um dos instrumentos à mão para atingir o objetivo de vender 30 mil unidades/ano no Brasil até 2020, quando a marca já terá também dois carros nacionais feitos em São José dos Pinhais (PR), na linha de montagem em associação com a Volkswagen. Com R$ 500 milhões de investimento, o A3 Sedan começa a ser produzido em setembro próximo e o Q3 entra na fábrica no segundo semestre de 2016.

Até agora está dando certo a estratégia de oferecer um amplo portfólio de mais de 40 modelos e versões e expandir a rede, que de apenas 23 concessionárias em 2012 já dobra de número este ano, com plano de chegar a 70 lojas em 2017. Em 2014 a Audi quase dobrou suas vendas (+90%) no País para pouco mais de 12 mil unidades emplacadas, em comparação com o mercado premium que cresceu 16% e o geral que caiu 9%; e de janeiro a abril o desempenho voltou a avançar impressionantes 35%, contra 11% do conjunto dos modelos premium, fazendo da Audi líder do segmento no primeiro quadrimestre com pouco mais de 5 mil automóveis vendidos e expectativa não declarada de chegar perto dos 15 mil até fim de 2015. “Apesar do cenário negativo, estamos indo muito bem”, comemora Hofmann.

“Ainda não sabemos o que vai acontecer no resto do ano, mas esperamos por novo crescimento das nossas vendas”, afirma Zola. Ao que tudo indica, o “bullyng” da Audi está funcionando, especialmente sobre os concorrentes.

- Leia aqui mais sobre o Audi TT



Tags: Audi, TT, lançamento, esportivo, estratégia, marketing, mercado, investimento, publicidade, propaganda.

Comentários

  • Marco

    Não gostei da propaganda. Ela faz crer que praticar bullying é algo bom. Se eu fosse comprar um carro deste nicho, descartaria o TT só por causa da propaganda. Iria de Z4.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência