Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 28/02/2013 | 20h24

Randon prevê recuperação em 2013

Após quedas acentuadas em 2012, projeções apontam volta dos resultados positivos este ano

SUELI REIS, AB | De Caxias do Sul (RS)

Após encerrar 2012 com faturamento líquido 15,7% menor do que o apurado no ano anterior, para R$ 3,5 bilhões, a Randon, uma das principais fabricantes de implementos rodoviários e que detém 30% deste mercado no Brasil projeta um 2013 mais promissor. A empresa espera aumentar sua receita para R$ 4,1 bilhões este ano, impulsionada principalmente pela alta das vendas esperada para o mercado de caminhões e em consequência, o de implementos.

“2012 foi o pior ano em termos de resultado nos últimos 10 anos”, afirma Alexandre Randon, vice-presidente das Empresas Randon, durante a apresentação do balanço anual realizado em Caxias do Sul (RS) na quinta-feira, 28. Mas coube ao diretor corporativo de relações institucionais e com investidores, Astor Schmitt, apresentar os resultados pouco satisfatórios.

A receita bruta total atingiu os R$ 5,35 bilhões em 2012, queda de 16,2% sobre o ano anterior, quando foram registrados ganhos de R$ 6,38 bilhões. O EBITDA da companhia recuou fortemente, 48,5% entre 2011 e 2012, para R$ 286,6 milhões, afetado pela economia de escala (menor produção), custos fixos e redução de preços. Da receita líquida consolidada, 52% foi gerada pela divisão de implementos e veículos especiais, como caminhões fora de estrada dedicados ao setor de mineração e máquinas de construção (retroescavadeiras). O setor de autopeças, que inclui as marcas Fras-le, Suspensys, Master, Jost e Castertech, anotou participação de 44,9%, enquanto que as operações do Banco Randon representaram 2,3% do faturamento do ano passado. Schmitt elencou os fatores que conduziram às perdas.

“O fraco desempenho da economia nos impactou fortemente e sofremos os efeitos. A transição das tecnologias Euro 3 para Euro 5 foi mais complexa e demorada do que a indústria imaginava: a elevação dos estoques Euro 3, gerados pela espera de uma antecipação de compra durante o início de 2012 – que não houve – fez cair em 40% a produção de caminhões e em 20% a de semirreboques, segmento que teve forte concorrência e redução de preços. Além disso, tivemos constantes mudanças nas regras de financiamento e crédito travado, sem tendência de longo prazo. Acrescenta-se a isso a seca altamente frustrante no início do ano passado, que derrubou os volumes da safra no sul do Brasil, no Paraguai e na Argentina.”

Sobre o lucro líquido, que fechou 2012 em R$ 42,6 milhões, expressiva queda de 84,2% sobre 2011, o executivo comentou: “Apesar de tudo, ainda conseguimos ficar no azul, a saúde e a credibilidade da empresa seguem inabaláveis. Prova disso é a nossa liquidez (caixa livre), que segue crescendo: houve aumento de 43% em 2012 sobre o ano anterior, para R$ 2,4 bilhões”, ressaltou Schmitt.

As exportações também recuaram em 2012, 10,3%, para US$ 264 milhões, puxada pelo desempenho do Mercosul, devido às safras ruins na Argentina e Paraguai, além da economia chilena fraca. O bloco econômico, que representava 45% das exportações em 2011, encerrou o ano passado com 32% dos ganhos com as vendas ao exterior. As exportações na região do Nafta permaneceram com participação de 28%, enquanto houve reação de alguns mercados como América Central e do Sul, cuja participação passou de 7% em 2011 para 18% em 2012, e em alguns países da África (Angola, Moçambique e Quênia), cujos ganhos representaram 14% em 2012 contra 11% do ano anterior. Para Schmitt, os ganhos com estes mercados foram quase que uma compensação das perdas registradas no Mercosul.

PERSPECTIVAS

O presidente das Empresas Randon, David Abramo Randon, avaliou que embora o resultado do ano passado tenha cravado números negativos no histórico da companhia, a média de crescimento dos últimos 15 anos foi mantida em 15,6%. “Esperamos manter uma trajetória de crescimento de 10% nos próximos anos”, projeta o executivo.

Randon disse que a empresa está em processo de reavaliação do cronograma de seu novo ciclo de investimento de R$ 2,6 bilhões para o período 2012-2016, anunciado em maio do ano passado. “Talvez possa ser um ano a mais. Vamos planejar se será um ciclo de seis ou sete anos de investimentos”, ponderou.

Boa parte do investimento será aplicada no complexo industrial de Caxias do Sul, onde a empresa concentra 80% de suas operações, mas também contemplará as outras fábricas espalhadas pelo Brasil e no exterior. Em 2012, parte do aporte foi utilizada nas unidades de Chapecó (SC) e nas unidades do exterior: Randon Argentina, Fras-le no Alabama (Estados Unidos) e na China. A nova fábrica de vagões em Araraquara (SP), que consumirá R$ 200 milhões, também faz parte do ciclo de investimento.

Randon disse que os investimentos do ano passado somaram R$ 276 milhões, acima do planejado anteriormente, R$ 230 milhões. Ele admitiu que o valor quase excedeu a receita obtida no ano, por isso a necessidade de readequação do cronograma de investimentos.

“Este ano prevemos investimentos de R$ 130 milhões”, informa. Ainda sobre 2013, as perspectivas se mostram mais otimistas: a receita bruta aponta para R$ 6 bilhões, com faturamento líquido de R$ 4,1 bilhões. As projeções para importações são de R$ 120 milhões contra os R$ 114 milhões de 2011. Já as exportações devem chegar a US$ 300 milhões e pela primeira vez a empresa integrou as receitas geradas no exterior em seu plano anual, que devem atingir US$ 92 milhões.

“Neste começo de ano já estamos sentindo uma melhora, estamos utilizando 80% da nossa capacidade. As fabricantes falam em aumento de até 25% na produção de caminhões, para algo como 175 mil unidades e a indústria de implementos trabalha com 60 mil unidades (rebocados). Associando o crescimento econômico, o PIB que deve ser maior que 3%, estimativa de safra recorde e regras claras para financiamentos até o fim deste ano, 2013 promete ser um ano bom.”



Tags: Randon, balanço, implementos rodoviários, caminhões, faturamento, lucro líquido, Caxias do Sul.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência
best-cooler.reviews/

top psychology book

подробнее xn--e1agzba9f.com