Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

Duas Rodas | 03/09/2012 | 12h30

Setor de motos aguarda medidas de estímulo

Fabricantes e importadores esperam anúncio do governo para retomar vendas

REDAÇÃO AB

Em razão dos recentes anúncios do governo sobre prorrogação da redução de IPI para carros até outubro e novos benefícios ao setor de caminhões, os fabricantes de motos já esperam para as próximas duas semanas um conjunto de benefícios que reaqueça o setor. A informação é do jornal o Estado de São Paulo. Segundo a reportagem, Alarico Assumpção Júnior, diretor-executivo da Fenabrave, aguarda ansioso um chamado do governo para as duas próximas semanas.

O setor tem forte dependência de vendas a crédito. A modalidade responde por cerca de 46% das vendas, mas a aprovação das propostas de financiamento está abaixo de 20%, segundo o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian. Como resultado, o emplacamento de motos caiu mais de 9% no acumulado do ano, na comparação com o mesmo período de 2011. Essa queda passa de 17% quando analisado o período mais recente, de maio para cá.

Um ex-presidente da Abraciclo e diretor da Honda, Paulo Takeuchi, recordou que uma alteração no recolhimento dos depósitos compulsórios dos bancos poderia liberar R$ 3 bilhões em crédito para o financiamento das motos (o Banco Central adotou essa medida para os automóveis, resultando em R$ 18 milhões de fôlego).

Vale dizer que as motos produzidas em Manaus não recolhem o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Uma solução encontrada em 2009, ano em que o setor enfrentou situação semelhante à atual, as motocicletas até 150 cc foram beneficiadas pela isenção da Cofins, que resultava em abatimentos de cerca de R$ 200 no preço final de veículos em torno de R$ 5,5 mil.

Também naquele ano, a Caixa Econômica Federal liberou uma linha de crédito de R$ 3 milhões, mas contemplava apenas o setor do motofrete, o que implicava a comprovação formal de atuação no setor e a compra de unidades já equipadas com baús e outros itens. Tudo isso tirava a atratividade do financiamento.

As fabricantes de Manaus já fecharam cerca de 2 mil postos de trabalho desde o início do ano. "Houve cortes também nos fabricantes de componentes que atuam lá e empregam cerca de 20 mil funcionários, número semelhante ao das indústrias de motos somadas", afirma o diretor da Abraciclo, José Eduardo Gonçalves.

Ruim também é a situação dos importadores Shineray e Johnny em razão da alta de 15% para 35% na incidência do IPI para motos importadas de baixa cilindrada. Segundo o Estado de S. Paulo, a Shineray pode desistir da fábrica que pretendia inaugurar em Suape (PE) até o fim do ano e a Johnny deve adiar para dezembro a inauguração prevista para este mês de sua unidade em Camaçari (BA).

Os futuros fabricantes foram surpreendidos pela mudança das regras os governadores de Pernambuco e Bahia querem do governo federal uma revisão da tributação para aqueles que já tinham fábrica planejada para o Brasil, a exemplo do que ocorre no setor de automóveis com Chery.



Tags: Motos, motocicletas, IPI, Alarico Assumpção Júnior, Fenabrave, Paulo Takeuchi, Cofins, motofrete, Shineray, Johnny.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência
Нашел в интернете важный web-сайт , он рассказывает про www.maxformer.com.
неодимовый магнит цена украина

Узнайте про интересный сайт с информацией про реклама google.