Automotive Business
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias
Chevrolet Sonic quer conquistar público jovem

Lançamentos | 28/05/2012 | 16h00

Chevrolet Sonic quer conquistar público jovem

Modelo global parte de R$ 46,2 mil e é trazido da Coreia do Sul em versões sedã e hatchback

MÁRIO CURCIO, AB

Sonic

Começam neste mês de junho as vendas do Chevrolet Sonic, primeiro automóvel trazido da Coreia do Sul pela General Motors do Brasil. O carro é feito na fábrica de Bupyong-Gu, em Incheon. O modelo vem em duas versões de acabamento, LT e LTZ, e duas carrocerias, hatch e sedã. O motor é o Ecotec 1.6 16V, que produz até 120 cavalos quando abastecido com etanol. A transmissão pode ser manual de cinco marchas ou automática, com seis.

Os preços estão entre R$ 46,2 mil e R$ 53,6 mil para o hatchback e entre R$ 49,1 mil e R$ 56,1 mil para o três-volumes (veja lista detalhada no fim da reportagem). Os valores ficaram abaixo das estimativas iniciais da GM, mas ainda assim são elevados. Por causa de seu porte e faixa de preço, o Sonic deve brigar com os nacionais Honda Fit e City e com os mexicanos New Fiesta hatch e sedã. É do México, aliás, que o Sonic passará a ser importado até o fim do ano, o que em tese favoreceria a redução do preço ao consumidor, mas a GM não admite essa possibilidade: “Seria pouco sério baixar o preço quatro ou cinco meses depois do lançamento”, afirma o diretor de marketing, Gustavo Colossi.

Ele também descarta a produção do carro no Brasil: “Seria preciso fazer grandes modificações em uma fábrica, por isso a vinda do México será um caminho natural.” Automotive Business também ouviu o vice-presidente da GM do Brasil, Marcos Munhoz. Antes de falar sobre a rentabilidade dos primeiros carros que estão vindo da Coreia do Sul, ele faz uma pausa, reflete e franze a testa: “É, o dólar estava a R$ 1,60 quando surgiu a intenção de importá-lo”, disse-nos o executivo na metade de maio, quando a moeda americana começava a beirar os R$ 2.

PÚBLICO-ALVO “ANTENADO”

De acordo com pesquisas de mercado realizadas pela GM, 51% dos futuros consumidores do Sonic são solteiros, 62% não têm filhos. Em regra, não têm preocupações financeiras. “Muitos deles terminavam a faculdade quando a economia brasileira começava a ficar estável”, diz Colossi (o real entrou em vigor em 1994).

“Esses compradores procuram satisfazer suas necessidades com algo diferente”, afirma. Também são grandes usuários de internet: “Eles utilizam bem mais a rede do que a média da população e confiam muito em sites, blogs; são usuários de smartphones e tablets." Para atrair esses compradores “antenados”, o Sonic tem porta-luvas com entrada USB integrada e os dispositivos ali instalados podem ser operados pelo sistema de som. O desenho interior tem detalhes bem diferentes, como o painel, inspirado no de motocicletas atuais, em que o conta-giros é analógico e o velocímetro, digital. O carro tem ainda 14 porta-objetos.

Sem estabelecer proporções, a GM acredita que o modelo terá mais compradores do sexo masculino. “O Honda Fit atrai maior porcentagem de mulheres. Já O Sonic hatch deve atrair mais homens. O sedã também, especialmente jovens executivos. A General Motors acredita em vendas mensais de 1,2 mil unidades, 60% delas para o hatch. As unidades automáticas também devem atingir 60% das vendas.

PROJETO GLOBAL

Interior
O motor 1.6 flex do Sonic produz até 120 cv quando abastecido com etanol. Interior é espaçoso e foi pensado para o público jovem. Painel lembra o das motos atuais. Porta-luvas tem entrada USB.

O Sonic é vendido em mais de cem mercados e também utiliza o nome Aveo. Foi criado pelo estúdio de design da Coreia do Sul, mas teve a participação da engenharia da General Motors do Brasil. Durante seu desenvolvimento, engenheiros rodaram 1,7 milhão de quilômetros em 360 protótipos. Para o Brasil, o carro recebeu modificações em freios, direção e suspensão, além da adequação do motor para utilizar etanol ou gasolina em qualquer proporção. Segundo a GM, o reservatório de gasolina para partida a frio (tanquinho) é o único componente brasileiro instalado no carro. Moderno, o 1.6 Ecotec tem recursos que favorecem ora a força disponível em rotação baixa, ora a potência em alta. São eles o duplo comando de válvulas com variadores de fase controlados eletronicamente e o coletor de admissão variável.

O interior bem desenhado garante posição de dirigir agradável e o desempenho propiciado pelo motor Ecotec 1.6 deve atender a maioria de seus compradores. As suspensões têm bom acerto e transmitem segurança em situações críticas como curvas fechadas e piso ondulado, irregular. A transmissão automática permite trocas sequenciais por um botão à esquerda da alavanca. Não há opção por borboletas atrás do volante.

A distância entre eixos de 2,5 metros é a mesma para as duas carrocerias e garante bom espaço interno. O porta-malas do sedã comporta 477 litros e atende o uso familiar. O do hatch leva 265 litros, apenas cinco litros a mais que o do Chevrolet Celta, menor Chevrolet à venda no Brasil. Ambos os Sonic têm banco traseiro rebatível.

Sonic

Desde a versão LT o carro traz direção hidráulica, ar-condicionado, airbags dianteiros, computador de bordo, freios com ABS e programa eletrônico de estabilidade. Vidros, travas e retrovisores têm acionamento elétrico. A opção LTZ traz também controles de áudio no volante, faróis de neblina e opção automática, entre outros itens.

VEJA A LISTA DE PREÇOS DO SONIC

Hatch LT - R$ 46,2 mil
Hatch LTZ - R$ 48,7 mil
Hatch LTZ automático - R$ 53,6 mil

Sedã LT - R$ 49,1 mil
Sedã LTZ - R$ 51,5 mil
Sedã LTZ automático - R$ 56,1 mil



Tags: Chevrolet, Sonic, Coreia do Sul, Bupyong-Gu, Incheon, Gustavo Colossi, Marcos Munhoz, Honda, City, Fit, Fiesta, Cobalt, Celta.

Comentários

  • Anderson Dantas

    Até que enfim um motor 1.6 na linha Chevrolet. Gostei do design, só não muito do painel, mas ninguém é perfeito. Prefiro o painel do Cruze. Pena que não substitui o velho e ótimo Astra.

  • tonton

    O carro teria ficado bom se não fosse por um detalhe, o porta malas ficou pequeno demais apenas cinco litros a mais que o do celta tenha dó, no carro que custa mais de quarenta mil. devia ter feito o porta malas do tamanho do porta malas do astra já que ele é o substituto

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência
Top 10 Binary Option Brokers

best-products.reviews

3kovra.com.ua/kovrolin/detskii-kovrolin/