Automotive Business
Siga-nos em:

Opinião | Joel Leite |

Ver todas as opiniões
Joel Leite

Igreja Católica deixa de investir em combustíveis fósseis

Religiosos querem reduzir o impacto da crise climática sobre os pobres

Caritas Internationalis, três bancos católicos com saldo de cerca de € 7,5 bilhões, várias dioceses e uma coalizão internacional de instituições católicas anunciaram que vão deixar de investir em combustíveis fósseis para proteger o planeta.

O presidente da Cáritas Internationalis, cardeal Luis Antonio Tagle, disse que os pobres sofrem muito com os impactos da crise climática, e os combustíveis fósseis são uma das principais causas dessa injustiça. “É por isso que encorajamos nossas organizações e grupos ligados à Igreja a fazer o mesmo”, disse, em referência à orientação da entidade de não mais investir em fontes de energia fósseis.

A posição da Cáritas está ligada à decisão dos principais bancos católicos de fornecer a seus investidores opções responsáveis e abordar a mudança climática. Entre as instituições que anunciaram o compromisso estão o Pax Bank, o Bank Im Bistum Essen eG e o Steyler Ethik Bank.

“O desinvestimento é um caminho importante para a Igreja mostrar liderança no contexto da mudança climática. Louvados sejam todos aqueles que servem os mais vulneráveis, protegendo o meio ambiente”, disse o cardeal Tagle.

O grupo, de 35 instituições, se junta a 60 organizações católicas que atendem ao chamado do papa Francisco de instituir práticas financeiras moralmente sólidas.

O fundador da Catolic Impact Investing Collaborative, um grupo de instituições católicas que administram coletivamente mais de US$ 50 bilhões, John O'Shaughnessy, explicou que “o desinvestimento de combustíveis fósseis” envia um sinal importante: “As instituições financeiras estão cientes de que esses investimentos não são sustentáveis e provocam grande dano à sociedade. Cada vez mais, os gerentes financeiros estão se afastando de energia suja e avançando para uma futuro limpo e sustentável”, disse.

Este compromisso é coordenado pelo Movimento Mundial Católico pelo Clima – ao qual pertencem mais de 650 organizações. Seu diretor executivo, Tomás Insua, explicou que “quando se trata de proteger o lar comum, não há tempo a perder”.

“Nos livrarmos dos combustíveis fósseis é importante para reduzir a curva de emissões de CO2 o mais rápido possível, e a liderança da Igreja nesta questão nunca foi tão importante”, disse ele.

____________________________________________________
Este artigo foi publicado originalmente na
[email protected]

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência